Yoshida San e seu balcão – Patrimônio de São Paulo

Olá a todos,

Para vocês que me acompanham no decorrer dos anos, sabem que eu não tenho frescura foodie, muito menos a de fascistas anti-foodie. Traduzindo: eu acho que a diversificação de approaches que a culinária japonesa possui é válida, afinal cada pessoa tem um paladar diferente e também um bolso diferente. Quão simples e sem graça seria se só existissem rodízios de 49,90? Quão segregacionista e elitista seria a culinária japonesa se só tivéssemos Kinoshitas e Juns? Cada um tem seu valor.

Eu tenho o prazer de ir em tudo quanto é lugar, as vezes gasto menos, as vezes gasto mais, porém ganho uma visão completa do cenário.

Dentre todas essas possibilidades (hoje já se encontram mais estáveis e não mais naquele boom descontrolado de anos atrás) tenho que levantar um único lugar, único em São Paulo: o balcão do Yoshida San – O Hamatyo.

Conheci o Hamatyo anos atrás (leiam minha 1a review) e depois fui mais 1-2x e sempre foi igual, praticamente idêntico! Reconheço que nesse espaço de tempo cheguei a me incomodar pelo restaurante não variar muito, afinal eu fui num intervalo de 1 ano e meio e comi exatamente a mesma sequência.

Mas hoje penso diferente, não sinto nem a empolgação da 1a visita, nem o conformismo da 2a e 3a. Hoje eu sinto um respeito infinito combinado a uma sensação de que o lugar tem uma aura única e especial. O balcão do Yoshida devia ser tombado! É um lugar que vai deixar muita saudade e vai fazer mais falta que os extintos Rangetsu e Shintori. Explico mais abaixo, mas antes, vamos dar uma olhada nos incríveis sushis que comi no balcão do Yoshida:

 

Agora que você viram as fotos, vou tentar contar um pouco da experiência ao vivo, que é umas 100x mais incrível, aproveito e explico o que faz do Hamatyo o Hamatyo.

O ambiente é 100% tradicional, um balcão de madeira, longo, bem cuidado, louças bonitas mas não extravagantes. Funcionários? 3. O segurança na porta, Yoshida e sua esposa (que não faz meias palavras com quem acha que é rodízio). Valor do Sushi Hamatyo (a sequência máxima acima) é de 200 reais, não cobram taxa de serviço. Chá quente? Cortesia como tem de ser. Missoshiru? Cortesia como tem de ser.

Dificilmente a casa fica cheia, aliás, em geral só vai quem é comensal regular, aventureiros são raros, no Hamatyo vai quem sabe o que quer e o que vai encontrar.

Os sushis do Yoshida são grandes, repito, GRANDES, mas não devido ao bolinho de arroz, mas sim a perfeita e harmoniosa combinação com uma farta fatia de peixe. Aliás, por falar sobre a fatia de peixe (ou netá em japonês) os cortes do Yoshida são precisos e para cada pedaço do peixe ele faz um corte condizente. Recomendo que subam a página e revejam como os cortes do Yoshida não são lâminas de peixe, mas sim fatias generosas.

Sobre o custo benefício, não vou dizer que é ótimo, é caro sim, mas vale cada centavo quando você decide ir. Se eu tivesse mais dinheiro iria 1x por mês. Atrelado a isso, os 12 sushis por 200 reais soa pouco, certo? Todas as 4x que fui lá pensei o mesmo, porém quando você chega na metade já percebe que é mais do que suficiente para sair satisfeitíssimo! E a qualidade dos peixes? O Yoshida tem só pedaços excelentes de peixe, ele sempre pega o necessário para servir bem, já ouvi histórias de que em dias de peixe ruim ele nem abre.

Para finalizar meu raciocínio…Hamatyo seria a 1a opção para levar qualquer pessoa a qualquer momento se alguém quisesse comer um bom sushi. Mas Gourmet San, por que então você nunca disse isso? Pois eu sempre considero o custo benefício que a pessoa me passa, o gosto da pessoa e também a expectativa dela. Por exemplo, o Hamatyo não é para encontros, não é para quem quer pular do rodízio para um sushi tradicional, também não é para quem quer comer em muita quantidade. O Hamatyo é o cume do sushi em São Paulo.

Mas Gourmet San, e os outros sushis e restaurante top tipo o Jun Sakamoto, Kansuke (ex-Sushi Kan) e o Shin Zushi? Todos esses lugares são excelentes, repito, excelentes, mas não representam a experiência de um Sushi-Ya na minha opinião. Motivos? Os mais diversos, vamos comentar um a um abaixo.

No Jun Sakamoto é consenso que as pessoas vão lá para interagir com o Jun e isso nem de perto acontece o que gera até um desconforto. No Shin Zushi a questão é conhecidíssima, o custo-benefício freestyle devido as inconsistências planejadas e controladas pelo restaurante, por exemplo, se você sentar no balcão do Ken vai ser diferente do Nobu, também vai encontrar diferenças se eles foram com a sua cara e também se não forem e por fim, se a oferta dos peixe for ruim no dia não abaixam o preço. E por fim  o Kansuke, do Egashira Keisuke (Ex-Shin Zushi), acho que é o mais próximo ao prazer de comer no Hamatyo, porém os sushis são mais delicados, é uma experiência mais fina, digamos assim.

Bom, acho que já falei bastante, recomendo irem ao Hamatyo, eu gosto, muito! Me contem depois como foi. Ah e por favor coloquem shoyu só na parte de cima do sushi, no peixe =).

Abs!

Comentários

comments

4 respostas para “Yoshida San e seu balcão – Patrimônio de São Paulo”

  1. Gourmet-San, que postagem maravilhosa! Amei e entendi perfeitamente o que você quis passar. Salivei aqui ao ver as imagens…
    Continue com as postagens no blog, eu entro todo dia para conferir se tem uma novidade! 🙂

    1. Oi Marcella,

      Muito obrigado! E que palavras maravilhosas a sua! Pode deixar que vou continuar postando =) E tentarei aumentar novamente a frequência delas, ok?

      Forte abraço e seja sempre bem vinda!

  2. Embora trabalhasse ali na região, nunca tinha entrado no Hamatyo até sexta-feira passada, quando um amigo me levou. É uma experiência que não tenho palavras para descrever! Após o omakase ainda pedimos mais três pares de niguiri, nunca tinha comido enguia tão deliciosa na vida.

    Na minha opinião, o preço é relativo à expectativa do cliente. Tanto eu quanto meu amigo, de forma alguma, achamos que pagamos caro… pelo contrário, a experiência foi tão agradável que, pra mim, não tem preço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *