Hirá Ramen Izakaya: no coração da Vila Madalena

Aqui é o Marcelo Asamura da loja Konbini Produtos Orientais e vamos falar de um Izaka-ya (boteco japonês) numa das regiões mais charmosas de São Paulo, na Vila Madalena.

O local do Izaka-ya é realmente diferenciado, fica na Fradique Coutinho, no coração da Vila Madalena, região de São Paulo cheia de bares e botecos bacanas para conhecer.

O que mais chama a atenção é a decoração descolada deste boteco japonês.
Dá uma olhada no estilo do ambiente:

hira-ramen-izakaya-fachada

hira-ramen-izakaya-ambiente-01

hira-ramen-izakaya-ambiente-02

hira-ramen-izakaya-ambiente-03

Cardápios:

hira-ramen-izakaya-cardapio hira-ramen-izakaya-cardapio-01

hira-ramen-izakaya-cardapio-03

Pratos pequenos para experimentar e dividir igual nos izaka-yas tradicionais. No entanto, este é um izaka-ya moderninho. Não experimentamos o Lamen, mas o Chef Daniel Hirata foi descobrir novos sabores lá no Japão e creio que voltarei para experimentar. (Saiba mais aqui na reportagem da Veja)

Porções (otsumami):

Nirá (verdura japonesa que lembra um pouco o alho) que eu adoro com Baby Polvo. Gostei do prato, mas prefiro Nirá com um molho ou mais temperado.

hira-ramen-izakaya-baby-polvo-nira

O prato que mais nos impressionou foi essa Berinjela com Gengibre (Nasubi), ela era crocante e suculenta ao mesmo tempo e com um sabor simplesmente delicioso. Foi a grande surpresa da noite. Altamente recomendada:

hira-ramen-izakaya-berinjela-nasu

Hirá Buns: muito bom, a massa do pão é bem macia e o recheio é bem genial. Tem barriga de porco e pepino e aioli.

A combinação de sabores é perfeita, só queria que viesse umas 4 unidades.

hira-ramen-izakaya-hira-buns

Kaki Furai (milanesa de ostra), muito bom também, mas prefiro na massa de tempurá.

hira-ramen-izakaya-ostra-empanada-kaki-furai

O diferencial da casa na minha opinião são as bebidas com temperos aromáticos da ásia e os drinks diferenciados:

Bebidas não alcoólicas

hira-ramen-izakaya-bebida-02 hira-ramen-izakaya-bebida-capim-limao01

Drinks Especiais

hira-ramen-izakaya-drink-ginger-soul
The Ginger Soul
hira-ramen-izakaya-drink-tatame
Tatame
hira-ramen-izakaya-drinks
Drinks Diferenciados

Vale a pena conhecer a casa,

Endereço:
R. Fradique Coutinho, 1240.
Pinheiros, São Paulo – SP.
CEP: 05416-001

Nayoro, mais um delivery bom em SP, acharam a fórmula?

Nayoro Delivery de comida japonesa

Eae gente, tudo bom?

Criei o Gourmet San uns 6 anos atrás e desde então tenho experimentado muitos deliveries, inclusive recomendo vocês darem uma olhadinha na lista de todos que já pedi. E no começo vou dizer pra vocês, 90% dos deliveries eram ruins ou pelo menos tinham 1 ou 2 erros gravíssimos, ou que tornavam a experiência bem insatisfatória.

Não digo que é fácil fazer delivery de sushi, é o oposto, é muito difícil. Imaginem só vocês que o temaki foi criado para ser comido segundos depois que o sushiman o prepara. O próprio sushi, para quem viu o filme Jiro: Dreams of Sushi, deve ter aprendido que deve ser comido também rapidamente, pois o timing dos ingredientes juntos funciona em sincronia.

Mas parece que esse cenário dos deliveries mudou. Ultimamente tenho experimentado alguns deliveries em São Paulo bem bons, que acertam na grande maioria dos elementos e que precisam apenas de 1 ou 2 acertos.

A review de hoje é do Nayoro, localizado na rua Carlos Weber, 92, Vila Leopoldina (ZO de São Paulo). Importante eu passar o endereço pois eles abrirão o restaurante físico em breve, mas hoje é só delivery pelo IFood.

Fiquei sabendo do Namoro por indicação e vi umas fotos no Instagram bem promissoras. Resolvi pedir num sábado a noite de preguiça e Netflix.

Em geral, em meus primeiros pedidos eu chuto o balde e quero experimentar o mais variado possível. Segue abaixo minha experiência e tudo que pedi e comi.

Antes de mais nada as embalagens não seguiram o padrão de virem numa sacola de papel marrom grandes. Nada contra nem a favor, mas gostei de ver as sacolinhas coloridas =)

Nayoro Delivery de comida japonesa embalagem

Depois que abri as embalagens ficou assim:

Nayoro Delivery de comida japonesa embalagem

Eu particularmente gosto muito dessas embalagens para encaixar rolls (enrolados) confortavelmente posicionados. É interessante também pois não tem aquela mistura de rolls diferentes na mesma embalagem, onde o ingrediente de um sushi cai em cima do outro. Claro que eu não pedi um combinado grande, pode vir junto, mas só posso dizer dessa minha experiência.

E agora…tan-tan-tan-tan:

Nayoro Delivery de comida japonesa

Vejam só que beleza, comida pra caramba! Aí vocês vem na coluna da esquerda um baterá com salmão e camarão, depois um uramaki com crispy de tempura e depois um enrolados de salmão com camarão empanado e ovas. Do lado direito um sashimi bem farto de salmão com alho poró e 3 duplas de sushi: atum com foies gra, how de salmão com alho poró e salmão chamuscado.

Vamos ver um a um agora.

Baterá de salmão com camarão e ovas:

Nayoro Delivery de comida japonesa batera de salmão com camarão

Eu comecei pelo prato que o Nayoro precisa mais trabalhar. Apesar do sabor estar ali e dos ingredientes serem bons, tem muita coisa junta rolando e cada baterá acabou ficando grande demais, mal cabia na minha boca. Minha recomendação pro pessoal do Nayoro é diminuir a quantidade de todos ingredientes e talvez tirar o camarão de cima, não precisa mesmo, o prato já é bom sem ele.

Enrolado de salmão com camarão empanado dentro:

Nayoro Delivery de comida japonesa

Esse prato funciona muito bem. Já está se tornando famoso em vários restaurantes. O Nayoro de seu toque, com as ovas verdes. Para o meu gosto funciona muito bem, muito bem. Foi um dos pontos altos do jantar. Se a equipe deles precisa ficar atenta só em um ponto é pro camarão não ficar crocante demais a ponto de ficar durinho. Só digo isso pois esse enrolado matou minha fome, bem farto.

Uramaki Camarão Parmesão:

Nayoro Delivery de comida japonesa uramaki

Esse daqui o pessoal pegou dos EUA, e fizeram muitíssimo bem, pois ele é ótimo. Aqui no Brasil os restaurante pegaram a péssima idéia de colocar pedaços muito grandes de pepino nos sushis, não funciona…Já diminuindo o pepino e acrescentando o avocado o sushi fica muito mais suave.

Esse foi o sushi que acabou antes, isso mesmo, devorei, é do jeito que eu gosto.

Sashimi de salmão chamuscado com alho poró:

Nayoro Delivery de comida japonesa salmão sashimi com alho poró

Esse foi outro grande acerto. A inédita combinação de salmão com alho poró me surpreender e funcionou super bem. Ele traz uma textura e sabor bem leve. Novamente apenas um ponto, os sashimis estavam muito grandes, da maneira que ficava difícil equilibrar a fatia. A grossura estava perfeita, acho que dá pra manter, mas o filé do salmão de onde foram tiradas as fatias estava muito largo. Lembrando que isso é só um toque para deixarem o prato na medida.

Niguiris:

Nayoro Delivery de comida japonesa niguiris

Realmente o atum com foies pra dominou a cidade, ele está presente em todos os cantos. Os produtores devem estar felizes da vida. Além desse sushi, as outras duplas era um jow de salmão com alho poró e um de salmão chamuscado. Ambos deliciosos e enorme, eu mesmo tive dificuldade para que coubessem na minha boca, quem gosta de sushi grande vai amar.

No final das contas eu adorei mesmo o Nayoro, entrega rápida, embalagens boas, sushis bons (precisando apenas acertar um ou outro ponto) e preços bons. Aliás, falando em preço, todos pratos acima (tirando os niguiris) tem preço de 15 a 30 reais, excelente custo benefício!

Recomendo o Nayoro sim! Mas uma opção interessante de delivery de comida japonesa em São Paulo, quero pedir novamente, mas agora outros pratos.

Abraços

Gourmet San

JoJo Ramen: Lamen de Tóquio em São Paulo

Jo Jo Ramen, vale a pena tanta espera?

Aqui é o Marcelo Asamura da loja Konbini Produtos Orientais e a avaliação de hoje é muito relevante para quem ama um bom Lamen.

Bom, o JoJo Ramen dispensa apresentações, pois para aqueles aficionados por esse macarrão com caldo e toppings maravilhosos, o JoJo é um must, ou seja, se você não foi até agora, está perdendo tempo.

E por ironia do destino ou não, o JoJo Ramen fica perto de casa e eu consigo reservar mesa pelo aplicativo e chegar na minha vez em pouco tempo. Que maravilha!

Se você não sabe nada sobre Lamen, dá uma lida neste trecho sobre o Lamen que você encontra no site do JoJo Ramen:

O Ramen:

Idealizado e preparado como uma forma de arte, o Ramen se tornou um símbolo da cultura de comida japonesa recente, sendo reconhecido como “Japanese Soul Food” e viajando por todo o mundo devido ao seu sabor único e formato mínimo. O JoJo está empenhado em trazer para São Paulo não só o sabor original, mas também todas as tradições e entusiasmo por trás das raízes do verdadeiro ramen.

Não há atalhos na preparação ramen, cada passo conta para o sabor original. O que está por trás de nossos produtos são horas de preparação do caldo, produção in house do noodle e uma preparação cuidadosa de cada topping e tare (tempero). O JoJo traz os chefs do Jiraigen, uma das mais tradicionais casas de ramen em Tóquio e cujo o dono é reconhecido como uma das lendas do ramen, para implementação dessa cultura.

O Ramen é composto de quatro componentes essenciais: o caldo, o noodle, os toppings, e o tare (tempero).

Vamos começar, imagina você chegar numa casa pequena no Paraíso, perto do Shopping Paulista para você ter um ponto de referência e se deparar com uma fila Enorme. ENORME MESMO!

Pois é, você está em frente ao Jo Jo, mais de 2 a 3 horas de fila nos dias mais lotados e com esse friozinho que continua fazendo em São Paulo, não tem erro, o Ramen é a combinação ideal.

 O lugar é pequeno, mas a fila apesar de ENORME é bem organizada, tem um sistema de espera e você pode dar uma volta na região e depois voltar só na hora que for a sua vez. Só isso, já me deixou bem mais aliviado, pois a pior coisa do mundo é você esperar numa fila pra sempre. Isso, eu acho que ninguém gosta.

Eu realmente acredito que fila só dá certo para lugares “excelentes” e o Jo Jo Ramen está muito perto disso. Ninguém gosta de esperar muito por algo que é mais ou menos, não é mesmo? Portanto, valeu a pena a minha espera!

Se você não é fã de filas, esse lugar, infelizmente não é para você.

Demorei para publicar esse post, pois fui 3 vezes ao Jojo Lamen e queria experimentar os outros Lamens.

Só não experimentei o Tsukemen que me parece delicioso, mas não é quente. E todos os dias estava muito FRIO! Ideal para um Lamen bem QUENTE.

Então, vamos ao que interessa: O LAMEN.

Shoyu Lamen = Lamen com Shoyu. Esse Lamen é bem saboroso, tem um caldo mais encorpado com o molho de soja. Gostei bastante.

Sobre os ingredientes: alga bem saborosa e crocante; Menma que é uma conserva de broto de bambu que é bem gostosa, o ovo não é dos meus favoritos (gostei mais do ovo do Momo Lamen), mas é diferente, o macarrão Lamen é bem consistente e delicioso. E o mais importante, o Tyashu (panceta de porco) é muito saboroso, pois eles passam a carne na grelha de carvão. O aroma que vem quando você recebe o Lamen na mesa é indescritível!

 jojoramen-shio-ramen-03

jojoramen-shio-ramen-01

Shio Lamen = Lamen com Sal. Esse Lamen é bem saboroso, mas é simples, você já deve conhecer um pouco o sabor, pois a característica dele é o sabor de caldo de frango. Muito bom e leve, mas não é tão diferenciado quanto os outros.

jojoramen-shioramen

Missô Lamen: Lamen incrível , pois o sabor é mais intenso e o missô (pasta de soja) é muito diferente do missô nacional, é menos salgado e tem adição de tutano de boi. Deixa o caldo bem encorpado e realmente é um tipo de Lamen que você não encontra em outros lugares.

jojoramen-missoramen jojoramen-miso-ramen-02

Deixo o melhor Lamen, na minha opinião, por último: JO JO KARA MISSÔ LAMEN.

É a versão apimentado do Missô Lamen, é simplesmente delicioso. E como eu gosto de pratos picantes, pra mim, no frio que estava em São Paulo, fez toda a diferença. Esse foi o primeiro Lamen que eu provei, só queria que fosse ainda mais apimentado, deve ser porque eu já provei Lamen Coreano (extremamente apimentados). No entanto, acho que para a maioria das pessoas, está numa picância adequada. Não faço questão que seja super apimentado, mas faz falta um pimenta a mais.

obs: para quem não é muito fã de missô pode ser um pouco enjoativo. Para quem gosta, é um prato excelente.

jojoramen-karamiso-03 jojoramen-karamiso-02 jojoramen-karamiso-01

Opções de Aperitivos/Entradas:

O meu favorito é o Karaague: franquinho frito ao estilo japonês.
Ele vem com um molho de maionese com ovo e acompanha repolho.

É bem crocante por fora, suculento por dentro e bem temperado. Recomendo.

jojoramen-karaague-02

jojoramen-karaague-01

Tsukudani: é uma conserva de alga kombu com shitake e katsuso, todos ingredientes têm muito Umami.
É bem gostoso para quem é fã de temperos japoneses, mas não é para todo mundo. Na dúvida, experimente ou evite se acha que não vai gostar!

jojoramen-tsukudani

Logo do Jojo Lamen:

jojo-ramen

Cardápio do Jojo Lamen:

jojoramen-cardapio

Acomodações:

jojoramen-interno-05 jojoramen-interno-02

Banheiro exclusivo com Washlet importado do Japão da TOTO BRASIL.
O Washlet é um assento sanitário de alta tecnologia que tem assento que esquenta, como vários fluxos de limpeza e com um console com botões ao lado como você pode ver nas fotos abaixo. Quanto estive no Japão, no frio, realmente fazia um grande diferença e por tem jatos de água é mais higiênico.

jojoramen-interno-06 jojoramen-interno-08

O que acharam?

Verifiquem os dias que com menos fila para não esperar muito.
O sistema de espera na fila funciona, então, você pode dar uma volta na região, passar no Shopping Paulista se for o caso e voltar para a fila quando chegar na sua vez.

Endereço:
R. Dr. Rafael de Barros, 262.
Paraíso, São Paulo – SP
CEP: 04003-041

Omakase promocional do Aya as 2as, vale a pena? Eu fui!

Omakase Restaurante Aya jo de caviar

Oi gente, tudo bom?

Os omakases (menu degustação) que em japonês significa algo como “deixar por conta do chefe” ou “confie no chefe” estão cada vez mais caindo no gosto do paulistano, afinal é a chance de comer o melhor que o restaurante tem a oferecer, de uma maneira mais abrangente, e numa refeição só.

Pro restaurante também é bom, pois ele consegue sair do lugar comum dos pedidos de sempre e também varias e abusar mais de ingredientes diferentes.

Assim sendo, a quantidade de restaurante que possuem no cardápio 1, 2 ou até 3 tipos de omakase não é raro. Os preços obviamente são mais elevados. Acho que o omakase mais em conta que conheço é o do Shigueru, que sai por uns 130,00, depois tem o do Aze Sushi, que com o Chef`s Club sai por uns 160,00. Também tem os omakases dos restaurantes melhores ainda, como o Kinoshita e Shin Zushi, onde os omakases vão de 250 até uns 350 facilmente, mas é claro que trabalhando com a excelência em ingredientes e técnica.

O restaurante Aya, do chefe Juraci também tem seu omakase, que se não me engano custa uns 240 ou 260 reais, mas as 2as eles o oferecem pro 180,00! Eu já tinha ido conferir uma vez um bom tempo atrás e aproveitei para ir de novo.

Como sempre, vale a pena salientar que o ambiente do Aya é dos melhores. Para um casal, talvez seja o melhor de SP. O serviço do Aya também é top de linha, desde os garçons, maitre, segurança, tudo.

Quando cheguei o balcão estava 100% vazio e o Juraci não se encontrava, eu sentei na frente de um jovem oriental que morou anos no Japão (descobri no decorrer do jantar). Assim que sentei, confirmaram que era o omakasse, e eu confirmei que era o dia com preço promocional.

Sem mais churamelas, vejam tudo que me serviram (clique para ver em tamanho maior):

Pra começar, eles conseguiram me pegar pelo ponto fraco. Na minha opinião não tem melhor jeito de começar um jantar japonês do que com o tempurá de shiso com atum batido, é perfeito, e estava muito bem executado.

O tartare também estava bom, apesar de que eu achei que o foie gras em cima não combinava muito com o prato.

Sobre os sushis, o Aya manteve a mesma linha da vez passada que comi esse omakase, a grande maioria dos sushis bons, mas não excelentes. Sim, exato, sushis bem gostosos, mas não eram de chorar em cima. Com exceção da barriga de salmão chamuscada e do incrível jo de salmão com caviar, esse último é de brihar os olhos. A vieira também estava fresquíssima, geladinha, uma delícia. E para finalizar, eles serviram o signature sushi deles, o haddock empanado com mel trufado, simplesmente delicioso, de sonhar mesmo. Ah, e obrigado pelo uni cortesia =) Eles me serviram quando perguntei se não ia vir no omakase.

Como prato final, antes da sobremesa, serviram um surpreendente e delicioso lagostim a provençal, juro estava demais, comeria todos os dias, foi preparado com esmero!

E para finalizar, a sobremesa estava estupenda e perfeitamente executada. Vou ser sincero, eu gosto de banana, mas não sou fã dela como sobremesa, mas estava divina. Empanada em pedacinhos crocantes, sequinhos e com o sorvete. Raspei o prato! No fim, como tomei só bancha (cortesia) e minha conta saiu redondinha 200 reais.

Agora a consideração final. Vale a pena? Sim, vale! por 180,00 é um omakase completíssimo! Mas agora tem um ponto importante, se esse mesmo omakase for servido por 240/260 reais, aí não vale…

Então o que eu acho, minha opinião tá, que o Aya faz um omakase mais barato sim, que vale a pena, mas que também ele dá uma “acertada” nos ingredientes para adequação do preço.

Recomendo irem, vale a pena sim, principalmente como em casal =)

Abraços

Gourmet San

Minha receita de shimeji na manteiga – Gourmet San

Receita shimeji na manteira

Oi gente, tudo bom?

Faz MUITO tempo que não publico uma receita, certo? Pois bem, é que estou tentando começar a produzir vídeos mas infelizmente não estou conseguindo dar esse passo adiante ainda, mas vou conseguir =)

Mas tem uma receita que há tempos quero compartilhar com vocês, a de shimeji na manteiga (leia shimêji e não shiméji).

Antes de mais nada, que fique bem claro que essa não é uma receita profissional, não é uma receita de restaurante. Eu digo isso pois sei que há muitos profissionais do ramo que leem esse blog. Em geral as boas receitas profissionais de shimeji na manteiga levam um caldo especial e feito com um conhecimento culinário maior. E esse não é o intuito aqui, não quero que vocês façam um caldo que leva horas para ser finalizado.

Sem mais churumelas e após minha enfática explicação de que essa não é uma receita tradicional, segue o passo a passo para fazer um bem delicioso shimeji na manteiga =)

Passo 1: Compra!

Para 2 pessoas, 1 pacotinho de shimeji escuro dá para o gasto (entre 7 e 10 reais), claro, se não forem comer um balde de shimeji, se for parte de uma refeição com outros ingredientes dá tranquilamente para 2 pessoas saborearem. Eu tenho feito sanduíches com pão pita com shimeji, e dá para 2 sanduíches.

Passo 2: Pode congelar =) Mas não corte os talos.

Sim, isso mesmo, pode congelar sem medo e não precisa deixar ele descongelando antes de usar, os cogumelos são super rápidos de descongelar sob água corrente.

SUPER importante, não corte os talos dos cogumelos, se não eles ficarão minúsculos, acredite, os cogumelos que você come nos restaurante é com talo e tudo.

Veja abaixo como eles ficam após cortados de comprido:

Receita shimeji na manteira

Passo 3: A Panela!

Ligue a panela até ela ficar bem quente, ou seja, quando começa a sair fumaça. Cuidado, não é pra deixar a panela queimar, não é tão quente assim.

Receita shimeji na manteira

Passo 4: Jogue a manteiga e os cogumelos.

Uma colher de manteiga resolve para essa quantidade de shimeji.

Receita shimeji na manteira

Espere a manteiga derreter, o que é rápido.

Receita shimeji na manteira

Jogue os cogumelos e deixe os fritar bem.

Receita shimeji na manteira

Passo 5: Sake!

Assim que o shimeji tiver soltado água, ter dado uma boa dourada com a manteiga e a panela estiver praticamente seca você adiciona o sake!

Receita shimeji na manteira

Veja na foto que a panela praticamente não possuía nenhum líquido no fundo. Também não precisa ser esse sake, pode ser um sake culinário, porém esse era o único que eu tinha em casa.

Você vai colocar pouco sake, o suficiente para os cogumelos terem chance de cozinhar um pouquinho no sake.

Passo 6: Shoyu!

Após o sake der uma diminuída, mas não totalmente, acrescente o shoyu! Basta uma leve regada sobre os cogumelos.

Receita shimeji na manteira

Eu usei um excelente shoyu, o Kikkoman, faz a diferença, sinto lhes informar. Porém se vocês só tiverem outro shoyu, siga em frente, deixe para depois comprar um shoyu melhor.

Receita shimeji na manteira

Dê uma mexida e tampe, deixe cozinha por uns 5 minutos:

Receita shimeji na manteira

Passo 7: O grande segredo, o óleo de gergelim!

Depois dos 5 minutos cozinhando, tire a tampa e deixe o shoyu e sake restantes evaporarem. E derrame um fio de óleo de gergelim sobre o shimeji. APENAS 1 fio, pois o óleo de gergelim tem um sabor e aroma bem dominante.

Receita shimeji na manteira

Essa hora você vai precisar ficar em cima da panela mexendo e virando bem os cogumelos. Eles vão dar mais uma fritadinha e você vai sentir um aroma incrível!

É nessa hora que você vai decidir se gosta dos cogumelos mais ou menos queimadinhos, é questão de gosto, pois o prato está praticamente pronto.

Passo 8: Finalização com a cebolinha!

Assim que você decidir o ponto do shimeji, desligue o fogo e jogue a cebolinha:

Receita shimeji na manteira

Eu tenho cebolinha congelada em casa, o que ajuda, mas claro que o ideal é jogar fresca =)

Mistura mais um pouco e sirva:

Receita shimeji na manteira

E aí, gostaram?

Tentaram já fazer a receita? Tem uma diferente? Imagino que sim! Por favor compartilhe abaixo =)

Abraços

Gourmet San

Momo Lamen: Gourmetsan visitou na Inauguração

Olá, tudo bom?

Aqui é o Marcelo Asamura da loja Konbini Produtos Orientais e vou aproveitar enquanto o local é novidade e o Lamen está FRESQUÍSSIMO para vocês conhecerem a mais nova Lamen House de São Paulo.

Estava eu na Liberdade, sempre passo por lá umas 2 vezes por semana, e encontrei um chef que trabalhava no restaurante de um amigo, um ex-izaka-ya que ficava na Vila Mariana. Cumprimentei-o e ele me disse que estava trabalhando no Momo Lamen, já estava sondando a casa faz alguns meses que estava sendo reformada lá na Rua dos Estudantes, 34, bem na região mais movimentada da Liberdade. Bom, enquanto falava com ele, ele disse que a casa estava inaugurando hoje às 11:00, fui dar uma volta e falei pra ele que às 11:00 estaria lá para provar o Lamen dele.

Cheguei exatamente 10:55 na frente da loja, fui o primeiro cliente a entrar na MOMO Lamen House, posso dizer que fui o primeiro cliente oficial da casa, pois a pré-inauguração não conta, não é mesmo?
A atendente abriu a porta e eu como de costume, sentei no balcão na frente do chef. Perguntei pra ele qual era o Lamen da casa, e ele me disse que era o Kara Missô, no cardápio você identifica como Aka Missô. Kara vem de Karai, ou seja, salgado ou ardido em japonês.

Antes de falar do Lamen vou falar do local. Pertíssimo da Itiriki Bakery, ou melhor ao lado dela e em frente a Pastelaria Yoka e da loja Korea Mart. São 3 andares de Lamen House, dá uma olhada na estrutura nas fotos abaixo:

Entrada:

momo-lamen-05

Balcão:

momo-lamen-02

2o Andar:

momo-lamen-06

Balcão de Lamen no segundo andar:

momo-lamen-07

Cardápio na Entrada:
momo-lamen-01 Para você ter uma ideia de preço, preços na média do mercado em São Paulo:

momo-lamen-03-cardapio momo-lamen-04-cardapio

E o mais importante: o LAMEN.

momo-lamen-08

O que achei do Lamen: simplesmente delicioso.

Gostei muito do sabor do caldo, nem muito salgado, nem pouco salgado, não muito ardido, eu prefiro mais ardido, mas é algo pessoal, o Tyashu (carne de porco fatiada) é muito saboroso e o mais importante, o Lamen numa textura al dente e muito fresco.

Falando com o Chef, ele disse que tudo é feito na casa, inclusive o macarrão, o Lamen é feito numa máquina importada do Japão, pois um fornecedor nacional talvez não desse conta da demanda.

Fora isso, para evitar que o Lamen esfrie enquanto ele é enviado para os andares de cima, eles resolveram montar novos balcões de Lamen para o prato chegar muito quente na sua mesa, achei isso realmente sensacional. Eles testaram a entrega do Lamen do térreo até o terceiro andar e não chegava tão quente. Achei que foi uma preocupação grande em te oferecer o melhor Lamen, ou seja, o mais quente possível.

Onde fica:

R. dos Estudantes, 34.
Liberdade, São Paulo – SP
Pertinho do Metrô Liberdade.

Introdução aos Izaka-yas: Botecos Japoneses

Quem sou eu?

Primeiramente, deixe eu me apresentar, sou o Marcelo Asamura, o mais novo colunista do blog Gourmetsan.

Sou proprietário da loja Konbini Produtos Orientais, sou entusiasta da culinária japonesa e asiática em geral.
Entre as minhas preferências culinárias, estão os pratos quentes japoneses e por este motivo, sou grande apreciador de Izaka-yas e Saquês Japoneses.

A convite do Breno, criador do Gourmetsan, decidi ajudá-lo na difícil, mas muito prazerosa tarefa de cobrir os botecos japoneses de São Paulo.
Nos últimos anos, os Izaka-yas ganharam grande  destaque na mídia e cada vez mais casas de saquê (tradução literal de Izaka-ya) estão surgindo pela capital paulistana. Além delas, casas de Lamen também estão aparecendo em bairros não tradicionais, ou seja, fora da Liberdade. Também vou buscar falar destas casas maravilhosas, visto que eu adoro um bom Lamen.

Breve Introdução sobre Izaka-yas

Para você que não sabe o que é um Izaka-ya, fique bem atento às minhas publicações, pois muita novidade está surgindo e vamos buscar acompanhar de perto a maioria dos botecos japoneses aqui de São Paulo. Entre as novidades que eu já estou acompanhando, temos os Izaka-yas tradicionais como o Bueno Izaka-ya no qual você pode encontrar o Chanko Nabe (cozido consumido pelos lutadores de Sumô), e os novos Izaka-yas mais modernos como por exemplo o Minato Izaka-ya (com pratos mais sofisticados e um público bem animado), ambos eu já visitei e recomendo, mas falarei a respeito deles nas minhas próximas publicações.

Fiz um levantamento a e cheguei a cerca de 20 estabelecimentos em São Paulo que podemos considerar como um Izaka-ya ou Lamen-houses, e já devo ter visitado quase metade dessa lista. Falarei mais a respeito disso individualizando cada Izaka-ya visitado, só para se ter uma ideia de alguns: Ban, Bohn, Bueno, Hirá, Imai, Issa, Jipangu, Kabura, Kidoairaku, Kintarô, Matsu, Minato, Mitsuyoshi, Taka Daru, Yakitori, 2nd Floor, Aska, Jojo Ramen, Lamen Kazu, Tan Tan, Meu Udon (Espaço Kazu), Lamen-açu. E essa lista vai aumentar, com certeza.

O principal objetivo desta publicação é dar uma visão geral sobre o que são os famosos Izaka-yas.

Mas o que é exatamente um Izaka-ya?

Na minha humilde definição e me baseando também em especialistas no assunto como o Jo Takahashi do blog Jojo Scope, uma das maiores autoridades no assunto, inclusive com livro publicado “Izakaya: Por Dentro dos Botecos Japoneses” que está entre os meus livros preferidos de culinária japonesa, de forma sucinta, é o BOTECO JAPONÊS.

Explico melhor, é uma local que os japoneses vão para beber, e se você está mal informado, os japoneses bebem bastante, é uma questão até cultural, sair do trabalho e beber com os chefes e colegas de trabalho. Então, na essência é um pub ou bar, no qual você tem pequenas porções ou petiscos (Otsumami – おつまみ) (talvez um boa referência sejam as TAPAS ESPANHOLAS) para acompanhar a sua bebida que pode ser: Saquês japoneses, Shochus que eu vou falar mais tarde, Cervejas, Whisky e Drinks mais sofisticados hoje em dia nos izaka-yas modernos.

Bom, o que tem de diferente no Izaka-ya. Eu diria que TUDO. Se você pensa que vai num Izaka-ya para comer Sushi e Sashimi, talvez você se decepcione. Um ou outro Izaka-ya acaba atendendo este público, mas normalmente, mesmo quem costuma pedir Sushi ou Sashimi em Izaka-yas não está procurando Sushis ou Sashimis comuns, quer algo bem diferente, ou melhor, algo EXCLUSIVO.

Mas seguindo a linha tradicional, a maioria dos Izaka-yas tem cardápios diferentes, então é bem possível que você nunca fique entendiado visitando diferentes Izaka-yas, sempre vai ter algo novo para experimentar e a ideia é essa mesmo. Para você ter uma noção, têm alguns Izaka-yas que renovam seus cardápios de tempo em tempo e você sempre vai ver algo novo no cardápio do mesmo local.

Então vamos aos pratos mais populares, em outras publicações, falarei de bebidas:Karaaguê (frango frito ao estilo japonês), Kimpira Gobô (bardana), Okonomiyaki (panqueca japonesa), Edamame (soja), Karê Rice (curry), Missô Nasu (berinjela com missô), Gyoza (pastelzinho japonês), robatas (espetinhos japoneses), Potato Salad (salada de batata), Korokke (croquete ao estilo japonês), Tebazaki (Mistura de Asinha de Frango com Gyoza), Ramen (Lamen), em alguns você encontra até pratos preparados com Wagyu (conhecido como Kobe Beef). Eu diria que para os japoneses, é um tipo de Comfort Food e você vai notar assim que visitar um Izaka-ya, comida deliciosa mais caseira preparada com bastante cuidado, mas nem todos são assim.

Fora o tradicional, se você quer ir atrás do sushi e sashimi, então saiba que você pode encontrar iguarias em alguns locais (Aizomê, Minato e Imai) como Uni (ouriço-do-mar), Torô (atum gordo), Pratos com Nattô (soja fermentada),  Cortes diferenciados de Sashimi (Peixe serra, Carapau, Meca, Robalo, e muitos outros), fora as criações inusitadas dos chefs que são muito habilidosos e impressionam com a apresentação artística, vocês vão entender do que estou falando nas próximas publicações.
Essa categoria de Izaka-ya é bem interessante, mas é para aqueles que querem ter um experiência gastronômica diferenciada e estão dispostos a gastar bem mais do que o normal.

Bom, deixo vocês com algumas fotos dos pratos que eu mencionei e espero que vocês tenham gostado desta publicação.

Karaage ou Karaague
Karaage ou Karaague (fonte da imagem: Japanese Cooking 101)
Kimpira Gobo
Kimpira Gobo (fonte da imagem: Japanese Cooking 101)
Okonomiyaki
Okonomiyaki (fonte da imagem: Spark People)
Edamame
Edamame (fonte da imagem: MomJunction)

Um grande abraço,

Marcelo Asamura

Algumas Referências Interessantes: Huffington Post , Jo Jo Scope e Adega de Sake

 

Naga, o primo chique do Nagayama

Eae pessoal, tudo bom?

Mais um domingo a noite, é hora de mais uma review aqui no Gourmet San!

Depois a excelente review feita pelo colaborador Will do Nagayama, resolvemos ir ao Naga, que fica logo ao lado.

ALIÁS, sim é um “aliás” maiúsculo, nessa esquina da Bandeira Paulista tem 3 Nagayamas. 2 no térreo (Nagayama e Nagayama Café, que de café não tem nada) e o Naga.

O Naga é só pra quem sabe, e tenho dito! Apesar de vocês até poderem ter ouvido do Naga, acho difícil ir lá por conta própria ou iniciativa própria, parece mais um encontra secreto da seita dos sushizeiros, rs. Piadas a parte, foi assim que me senti ao ir ao Naga, e conto mais a seguir.

Chegamos e o restaurante ainda estava fechado, mas quando os funcionários que estão do lado de fora percebem que você vai no restaurante eles te convidam a esperar dentro.

Do lado de dentro você espera numa pequena salinha escura onde cabem no máximo 15 pessoas. Tem um bar, um barman e a hostess, não mais que isso. Uma televisão ligada no Sportv passa os resultados do dia, do futebol é claro, rs. O barman oferece uma bebida mas negamos. Não é o que o casal mais granfino do outro lado da salinha faz, pedem o cardápio e algum drink.

Como chegamos perto do horário de abertura (19h30? ou 19h?) logo a hostess nos convida antes para subir. Subimos e o restaurante é maior do que eu imaginava, tem um número considerável de mesas. O ambiente é bem escuro, intimista, perfeito para um encontra a 2. As janelas tem cortinas que são abertas a noite apenas. Vendo daquela perspectiva dá pra entender porque do lado de fora não é possível entender que é um restaurante ali em cima.

Sentamos direto no balcão, vazio e muito bonito.

Depois de 3 minutos já estava cheio. Do nosso lado, um casal de 50 e poucos anos. Por falar nisso,  público do Naga é bem único e padrão. Público adulto (50-60 anos) com muito dinheiro e…pouco conhecimento sobre comida japonesa ou sushi. Aliás, é possível fazer um paralelo bem próximo com o público dos sushibares moderninhos da cidade Geiko San e Nakka, para citar uns exemplos. Esses restaurantes, recém nascidos, possuem um publico igualzinho ao da Naga, porém 20-30 anos mais novo.  E eu digo tudo isso com conhecimento de causa.

Mas vamos ver umas fotos do que comemos? depois continuo minha dissertação sobre a experiência:

Antes de mais nada, já aviso, não foi nada barato, meu foco inicial era deixar no máximo 170-200 reais lá e saiu 50% a mais que isso =(.

Aí vocês devem se perguntar, mas por que? Você não controlou o pedido? Não… e vocês vão entender abaixo.

Nesse tipo de restaurante em geral o menu não quer dizer muita coisa, a não ser que você queira ver os combinados de salmão e atum que eles possuem. Restaurantes a la carte de alto nível possuem ingredientes bons e excelentes que sempre alternam, ou seja, se você quer comer bem, pergunte ou deixe por conta do sushiman, nós fizemos um mix.

Sentamos e pedimos 10 niguiri sushi pra cada um, os melhores do dia e que depois iríamos ver algum enrolado. Afinal o próprio Will me disse que eles tinham enrolados de vieira que pareciam promissores.

Começamos e logo nos serviram uma entradinha bem boa de polvo, logo depois começaram os sushis. Não vou negar, eles começaram beeeem devagar, sushis bem simples, de atum-akami (parte das costas e mais vermelha), robalo, buri, serra, mas nenhum peixe gordo. Depois melhorou. Um pouco.

Nos serviram uma ótima sequência de um farto camarão, uma centolla gigante (kingcrab) e uma lula mais ou menos (mal cortada). Depois nos serviram um trio muito bom: ikura, uni e spicy king crab. O spicy kingcrab realmente é uma delícia, já tinha provado no Geiko San. Porém, os gunkan sushi estavam mal montados, faltou habilidade ali pros sushimans, só ver na foto.

Enquanto isso, no meio do jantar, o chefe responsável pelo Naga, e que coordena todos sushiman ali nos ofereceu uma ostra com uni temperada, simplesmente deliciosa. Adoro quando chefes nos oferecem pratos extra que eles sabem que não são todos clientes que gostam, essa é a alma do sushibar. Ele também nos serviu ovas de tainha (karsumi).

Os sushiman continuaram nos servindo sushis, 10, 11, 12, 13, 14, 15! Finalizaram com um delicioso e fartíssimo sushi de atum com foie gras e uma gordíssima enguia (unagui, sim ela voltou a cidade).

Mas pera, você repararam algo acima? Eu tinha pedido claramente 10 sushis, mas eles foram servindo mais, mais, mais, mais. E depois veio a conta, claro, todos esses sushis E….E…a entradinha, a ostra e as ovas de tainha (karasumi). Somando mais uns 120 reais fácil pra conta. Sabe o que é isso? FALTA DE RESPEITO, mas infelizmente, eu que estava no ambiente dos ricaços, onde a conta nunca é vista, revista ou analisada com afinco, você apenas dá seu cartão e pega o carro no valet (o que eu não faço).

Os restaurante japoneses realmente possuem incongruências no serviço, alguns cobram chá-verde, outros não, alguns cobram cortesia, outros não. Na minha humilde, mas experiente opinião, não se deve cobrar cortesias, JAMAIS. Claro que não estou falando de oferecer cortesias, mas sim servir diretamente, eu ia fazer o que? Negar? Perguntar se iam me cobrar ou não? Paro por aqui, mas confesso que me tirou do sério um pouco.

E agora o veredicto final. Gourmet San, você recomendo o Naga? Sim! Recomendo, para ocasiões especiais, comemorações a 2 e claro, que você não se importe em gastar um pouco a mais. E se for sentar no balcão, atenção com as “cortesias”

Abraços

Gourmet San

 

 

 

7 Temakis diferentes que comi nos últimos anos

Eae gente, tudo bem?

Muitas pessoas me perguntam, qual o melhor sushi? qual o melhor sashimi? Mas vou falar que por incrível que pareça, “qual o melhor temaki?” não ouço muito! Pelo meu entendimento e observação de como as pessoas interagem com a culinária japonesa fria, eu tenho uma idéia do motivo que isso ocorre.

O temaki, sem dúvida nenhuma, é a forma mais popular de sushi que encontramos. Não tem como negar, tem gente que “ama” temaki de uma forma até irracional (ou passional?! rs) eu diria. Dessa maneira eu sinto que as pessoas acabam ficando na mesmice e adorando temakis “ordinários” (leia-se comuns).

Mas não é bem assim, apesar do temaki ter se tornado corriqueiro, ele é uma arte e envolve muita técnica e sobretudo ingredientes bons e bem combinados.

Então hoje gostaria de compartilhar com vocês alguns temakis que com que me deparei no decorrer dos anos!

1) Temaki em Cubos da Temakeria e Cia (reviews aqui):

Parece fácil, mas não é. A Temakeria e Cia meio que quebrou o paradigma popular do temaki “batidinho” e sempre serviu temakis bem fartos (não tanto ultimamente) de salmão em cubos. O desafio principal é o temaki ficar bem montado e a grande vantagem pra quem está comendo é saber e ver que os pedaços são de partes boas do salmão.

2) Temaki de salmão empanado e alface (review aqui):

O Makis Place quando surgiu fez algo que me surpreendeu bastante, criou uma variedade de combinações enorme. O cardápio tinha, e ainda tem, pelo menos 30-40 opções diferentes. Algumas funcionam, outra não. Mas esse aí de cima é um ótimo acerto. Pequenos cubos de salmão empanado e com um refrescante folha de alface. Para quem nunca experimentou, a folha de alface combina muito bem com sushis, sobretudo com o arroz, nori, algum recheio e molho. Esse temaki vai muito bem com o tarê). Fica a nota para esse temaki, você comer os cubos de salmão quentinhos ainda.

3) Mini temakis do Ras Robataria e Temakeria (review aqui):

O Ras é um lugar único. Eles escolheram um filão que ninguém possui, temakis com robatas, e faz ambos muito bem. A grande nota para os temakis é o tamanho deles, são pequeninos (metade de uma temaki normal), você termina com 2 mordidas. Sabe o que o Ras consegue com isso? Temakis super crocantes, além de você conseguir aprovar uma variedade maior!

4) Temaki Empanado (review aqui):

Não lembro onde comi esse temaki, lembro que foi num restaurante perto do Aeroporto de Congonhas. E não, eu não gostei muito dele, mas isso não quer dizer que uma grande parte da população siga meu gosto. Ele basicamente é um hot roll em forma de temaki. Recheio de camarão ou salmão, com cani e depois finalizado com cream-cheese e a sempre deliciosa couve crocante. Eu achei ele difícil de comer e meio lambuzento, porém ele era febre no restaurante que provei, as vezes quem está errado sou eu não?

5) Temaki de atum com cebolinha (negui-maguro ou negui-toro) (review aqui):

Coloquei 2 fotos desse temakis de atum com cebolinha pois eles são justamente um denegui-maguro e o outro de negui-toro. Vale também enfatizar e muito que ambos são do Tanuki, restaurante tradicional de Vila Madalena (cujo dono é o simpaticíssimo Shigueru). Os temakis de atum com cebolinha do Tanuki são os melhores que já provei e vou dizer por que. Eles usam partes boas do atum, não usam as pontinhas ou restos que não iam virar sushi e sashimi, o resultado são temakis muito acima da média. Além disso a alga é sempre fresquinha e crocante e o shoyu kikkoman disponível deixa o temaki imperdível.

6) Temaki de camarão empanado com maionese a base de ovas da Temakeria e Cia (reviews aqui):

Esse já foi um dos melhores temakis da Temakeria e Cia, mas eles andam mandando mal na execução, porém a idéia ainda é fantástico. É um temaki de camarão empanado crocantíssimo envolto numa maionese um pouco spicy e com ovas tobiko vermelhas, simplesmente delicioso, é uma combinação certeira! O grande desafio aqui é montar o temaki com uma fartura de camarões, precisa ser um temaki mais robusto, não tem como.

7) Temaki tradicional (charutinho) (review aqui):

Pois é gente, más notícias para os fãs de temaki, o formato original do temaki não é de cone e sim de charutinho. É como se fosse um hossomaki antes de ser cortado em sushis menores. A parte de baixo dele não é vazada, então necessita um corte especial na alga para fechar a parte de baixo.

Sushi na Europa? Achei o Shabu Shabu!

Oi gente, tudo bom?

Tive o prazer de viajar para a Europa e conhecer alguns países que nunca havia ido antes! Sempre que viajo, para qualquer lugar que seja, sempre tento experimentar o sushi local, ou como a culinária japonesa se moldou a cultura gastronômica local.

Infelizmente, na Europa, nunca fui muito feliz com a oferta de comida japonesa. Os locais e amigos meus que moram lá sempre me dizem que há ótima opções, porém quando faço buscas através de aplicativos de comida como o Yelp e o TripAdvisor, raramente encontrei opções que eu julguei convidativas. O mesmo aconteceu nessa última viagem.

Todo dia, sempre que eu passava por um restaurante japonês ou quando ía fazer alguma refeição, sempre cogitava a possibilidade de comer um sushi. Infelizmente, como disse acima, não encontrava nenhum que eu achasse que valia a pena o risco e o investimento. Quando digo “risco” é que a última coisa que eu quero numa viagem é passar mal com alimentos perecíveis estragados, segundo, na Europa tem restaurante japoneses bons? Sim, sem dúvida, excelentes, mas uma refeição boa sai por pelo menos uns 60-80 euros (240-360 reais no câmbio da época), to fora, dinheiro não ta sobrando assim não…

Bom, eu tinha desistido de comer um sushi na Europa, até que…numa caminhada em Amsterdam buscando uma opção de almoço que não houvesse batata-frita, me deparei com o Shabu Shabu, localizado em Rembrandtplein 47 1017 CT Amsterdam, Holanda.

O restaurante de fora é bem moderninho, assim como a parte de dentro, eu particularmente gostei bastante! Tinha desenho e cerejeiras de plástico, o que deixar ambiente bem agradável e moderno ao mesmo tempo.

Pra ser honesto, o foco não era comer sushi e sim um shabu shabu, que leva o nome do restaurante. Para quem não sabe, esse é um prato super saudável, onde você vai mergulhando legumes, fatias de carne, cogumelos entre outros alimentos numa panela de água quente e assim eles são cozidos e depois você come.

Para minha surpresa, não tinha shabu shabu no cardápio! E a garçonete confirmou que eles não servem! Hahaha vai entender… enfim… back to sushi!

Não foi difícil escolher e o cardápio é ótimo, bem variado e com ótimas opções! Como já escrevi muito aqui, segue abaixo tudo que comi:

Temaki de enguia:

Uramaki de salmão grelhado com pimenta:

Urabitem, ou seja, uramaki de camarão empanado:

E tekkamakis e gunkan sushi de atum spicy:

Digo desde já que tudo estava muito bem preparado e muito gostoso. Nada deixou a desejar, nada mesmo, fiquei surpreso.

Para começar, o temaki de enguia, apesar de pequeno, veio super saboroso e o preço era bem convidativo, algo como 4-6 euros. E além disso, não se pode negar uma enguia com bom custo-benefício, nunca!

A seguir, 2 enrolados, o de salmão grelhado com pimenta e o de camarão empanado. Ambos de ótimo tamanho e com 8 unidades cada, não dá pra reclamar mesmo, eles custavam por volta de 8-10 euros cada. O de salmão grelhado era bem apimentado, afinal essa pimentinha seca que eles usaram não é leve. Já o urabitem super bem executado.

Para finalizar, um combinho de atum, tekkamakis e gunkan de spicy tuna. O grande ponto foram sem dúvida os gunkan! Super fartos e picantes na medida certa, ou seja, não apimentados demais. Se eu não tivesse satisfeito eu repetiria com certeza.

Sem dúvida nenhum, uma das surpresas da viagem, sobretudo devido as minhas baixas expectativas e como essa refeição caiu tão bem para minha barriga e mente =)

Recomendo! Ah quase esqueci! A partir de um certo horário da tarde eles servem all-you-can-eat-sushi! Aproveitem!

abraços

Gourmet San