Home / Curiosidades sobre sushi / O dia que o Gourmet San não comeu atum azul em São Paulo

O dia que o Gourmet San não comeu atum azul em São Paulo

O dia do Gourmet San começou assim:

Esta aí em cima é a capa do caderno Comida do jornal a Folha de SP. Ou seja, uma notícia bombástica, FOI PESCADO UM ATUM AZUL NO BRASIL!! Isso não acontece desde a década de 70, ou seja, mais ou menos 40 anos! O peixe tem um altíssimo valor comercial e figura como iguaria número 1 na gastronomia japonesa.Agora para os desinformados, vou explicar um pouco sobre o atum azul, ou popularmente conhecido por bluefin tuna, em inglês, ou hon maguro, em japonês.

Leilão de atum no mercado de peixe Tsukiji em Tóquio

O atum azul é uma espécie de atum que se diferencia das outras por alguns motivos, o principal é o tamanho. Se vocês acompanham o blog devem ter visto o post do atum de 269kg que foi leiloado no primeiro dia do ano no mercado Tsukiji em Tóquio, o valor final foi 750 mil dólares!  Também vale a pena conferir o post onde comer atum gordo! Ok, mas por que o tamanho é tão diferencial assim? Pois bem devido a barriga meus caros! Sim…sigam minha linha de pensamento, quanto maior o peixe, maior sua barriga e quanto maior sua barriga, mas gordura em sua carne e consequentemente um sushi muito mais delicioso e saboroso do que você imagina! E isso ainda é potencializado pelo fato desta espécie de atum se encontrar nas profundezas do mar, em águas geladas, fazendo com que o peixe acumule uma gordurinha extra!

Veja a diferença de coloração que o atum pode ter de acordo com a quantidade de gordura!

Mas vamos voltar a atenção para o atum azul pescado no Brasil, ok? Ele foi pescado por um barco atuneiro em Natal, no Rio Grande do Norte! Que inusitado!! Um peixe de águas frias em águas equatoriais! Obra do acaso mesmo! Este tipo de pesqueiro está acostumado a pescar atuns de outras espécies, como o yellowfin e o bigeye, atuns menores porém de boa qualidade! A principal suspeita é que esse atum azul tenha se perdido e acabou se juntando com os de outra espécie!

Depois de pescado o peixe foi jogado no gelo e levado num caminhão refrigerado do porto de Natal para o aeroporto de Recife e de lá direto para São Paulo! O destino era uma peixaria no famoso Mercadão! Lá, a espera, já estavam donos principais restaurantes da cidade, como Aya, Aizomê, Sushi Lika e Nagayama! E sem dúvida que havia representantes e sushimans de muitos outros restaurantes famosos e de alto nível de São Paulo!

No final foram aproveitados 380kg dos 470kg do peixe, e o valor arrecadado foi de R$152.000 reais, algo como R$ 400,00 o kilo! Para definir a o valor do peixe, são analisados diversos quesitos, entre eles o frescor, qualidade da carne da barriga etc. Desse peixão, os restaurantes servem duplas de sushi por até R$ 100,00. Exato, 2 nigiri sushi por 100 reais, como esses aí de baixo:

Nigiris de o toro de bluefin tuna (atum azul)

Voltando ao começo do texto, onde eu disse que meu dia começou bem, a notícia me agradou tanto que resolvi guardar o caderno e ler durante o almoço, para apreciar a informação com calma e começar a me planejar se iria comer e onde o faria! Foi exatamente isso que aconteceu e durante a tarde eu estava radiante com esse fato raro e fui comentar com um amigo sushiman que, para azar dele, estava fora de São Paulo (durante o dia que este post foi escrito). Ele se lamentou muito e após eu consultá-lo se deveria ir ou não comer, ele apenas disse: “vooooooaaaaaa!!!”

Com esse choque, peguei o telefone e liguei para o Restaurante Aya, falaram que já tinha acabado. Que susto! Como assim??? Me disseram que a reportagem era da semana passada mas só saiu nesta! Desliguei o telefone e liguei para o Nagayama correndo, mesma resposta, já havia acabado! Mas como? 380kg deste peixe super caro já se foram? Sim! E provavelmente não há mais por aí! Esse atraso de 1 semana para divulgação da informação na mídia sem dúvida foi suficiente para que ele fosse consumido por diversos sortudos:  clientes rotineiros, clientes que ficaram sabendo e foram atrás, pelos próprios sushimans e donos dos restaurantes! Afinal me diz se você resistiria a comercializar tudo e não saborear essa iguaria!? Duvido!

Eu já tive a chance de comer um atum o-toro no Hideki, mas realmente seria interessante provar o de um atum azul! No fim só resta se conformar e ir cabisbaixo dormir.

 

Comentários

comments

05 Passos para Fazer Sushi

About Gourmet San

Formou-se na Escola de Comunicações da USP mas segue carreira em uma multinacional do ramo da tecnologia. Compartilha no Gourmet San toda sua paixão pela culinária japonesa, que veio da visita de mais de 100 restaurantes diferentes, de centenas de horas de vídeos no Youtube e de muita leitura e bate papo com itamaes. Apesar de seus amigos acharem que ele só come sushi, não dispensa de forma alguma uma boa pizza ou um cheesebacon maionese.

3 comments

  1. É amigo te sigo desde malaga, espanha,, e por sorte esta especie ha bastante,,pues estou a,100 km, de barbarte( onde se pesca com almadraba ) aun q os japoneses levan grande parte ,ja tive a sorte de trabalhar y limpar atunes azul de ate 270 kg, se quizer informaçao y colaboraçao conta conmigo,,,y parabens pelo blog,musito bom,abraço

    • Olá Rui! Que prazer ler suas palavras, um leitor de outro continente! E ainda um conhecedor, um sushiman.
      Realmente aqui no Brasil não temos atum azul nos restaurantes ou em mercados. Eu invejo você de viver num local onde se pescam atum azul!
      Os japoneses são terríveis mesmo, consomem muito mais atum que todos os outros!

      Sem dúvida eu gostaria de informações e colaborações de alguém envolvido com a pesca e preparo do atum azul! Como você pode me ajudar? Aliás, é possível comprar um pouco? 1 kg?

      Abraços!

  2. Olá,pois tenho muito material fotográfico,
    Se quiser poso te enviar o que queiras,,
    Y aqui cujas todos restaurantes que entras tem algum prato de atum,,,tanto e a riqueza que temos em relação ao atum,
    Assim que nao sei ,,tão a
    Disposição , abraço y parabéns outra vez pelo blog

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*